Cronograma Literário 2017: Junho - Encontrada

Título: Encontrada
Autor: Carina Rissi
Editora: Verus
Número de Páginas: 476
Sinopse: Continuação do sucesso Perdida. Sofia está de volta ao século dezenove e mais que animada para começar a viver o seu final feliz ao lado de Ian Clarke. No entanto, em meio à loucura dos preparativos para o casamento, ela percebe que se tornar a Sra. Clarke não vai ser tão simples quanto imaginava. As confusões encontram a garota antes mesmo de ela chegar ao altar - e uma tia intrometida que quer atrapalhar o relacionamento é apenas uma delas. Além disso, coisas estranhas estão acontecendo na vila. Ian parece estar enfrentando alguns problemas que prefere não dividir com a noiva. Decidida, Sofia fará o que estiver ao seu alcance para ajudar o homem que ama. Ela não está disposta a permitir que nada nem ninguém atrapalhe seu futuro. Porém suas ações podem pôr tudo a perder, e Sofia descobre que a única pessoa capaz de destruir seu "felizes para sempre" é ela própria. Em Encontrada: À Espera do Felizes para Sempre, Carina Rissi traz de volta o mundo apaixonante de Ian e Sofia, nos permitindo mergulhar mais uma vez nesta maluca e envolvente história de amor. 

Resenha 
          Não vou me deter muito no livro pois trata-se da continuação do livro Perdida (resenha aqui). A volta de Sofia ao século XIX era muito desejada por ela, mas ela não pensou em como seria depois, tornar-se uma pessoa de dois séculos passados e talvez abrir mão de ser quem realmente é para manter a pessoa que ama ao lado. O casamento, sociedade e a família do noivo que até o momento só havia aparecido Elisa.
          Apesar de Sofia achar que terá de mudar para se tornar a Senhora Clarke, na verdade ela apenas descobre quem realmente é e quem nem todos estão torcendo por seu fracasso como esposa de Ian Clarke naquele século, e muitas coisas que ela pensava não estarem relacionadas de verdade com ela na verdade já eram sua história escrita no século XXI.
          Mesmo sendo continuação o livro consegue ser tão bom quanto o primeiro, Sofia continua desastrada como sempre, mas as situações mudam, pois a situação dela de "passageira" no século XIX passa a ser "permanente" e desde Perdida pudemos ver que a sociedade não perdoa, nem ela e nem a família Clarke. 

          Recomendo a leitura e espero que todo o restante da série seja tão bom, pois quero ler em breve. Então até a próxima leitura!
               

Cronograma Literário 2017: Maio - Veneno - Saga Encantadas

Título: Veneno (Saga Encantadas)
Autor: Sarah Pinborough
Editora: Única
Número de Páginas: 224
Gênero: Fantasia
Sinopse: Para os fãs de Once Upon a Time e Grimm, Veneno é a prova de que contos de fadas são para adultos! Não existe 'Felizes para sempre'!Em Veneno, a autora Sarah Pinborough reconta a história de Branca de Neve de maneira sarcástica, madura e sem rodeios. Todos os personagens que nos cativaram por anos estão lá, mas seriam eles tão tolos quanto aparentam?
Acompanhe a história de Branca de Neve e seu embate com a Rainha, sua madrasta. Você vai entender por que nem todos são só bons ou maus e que talvez o que seria 'um final feliz' pode se tornar o pior dos pesadelos!
Veneno é o primeiro livro da trilogia Encantadas, e já é um best-seller inglês. Sarah Pinborough coloca os contos de fadas de ponta-cabeça e narra histórias surpreendentes que a Disney jamais ousaria contar. Com um realismo cínico e cenas fortes, o leitor será levado a questionar, finalmente, quem são os mocinhos e quem são os vilões dos livros de fantasia! 

          Como vocês devem bem lembrar, para o mês de maio o desafio era ler um livro indicado por um amigo, dos livros que me indicaram apenas dois eu tinha disponível me minha estante (me senti pobre!). Dois dois escolhi Veneno, por estar a mais tempo em minha estante.

Resenha
          Iniciemos pelas informações práticas: a edição que eu tenho é bem simples e vem no box Saga Encantadas, comprei pelo site do Submarino, e paguei menos de R$ 20. A capa é simples, não tem orelhas e as folhas são brancas. Li ele bem rápido, em quatro dias, mas poderia ter lido em menos quisesse, a leitura era simples e o enredo bem envolvente, te prendia na leitura.
          Sobre o enredo, me surpreendi, no Cronograma Literário 2017, eu disse que era para sermos receptivos com as indicações, mas fiquei um pouco assim, né... Mas foi uma experiência bem legal, pois eu não gosto muito daquelas histórias "perfeitinhas", aqueles personagens sem sal que não tem nenhum defeito e acabam sem personalidade e foi aí que me encantei pelo livro, pois ninguém é bom ou mal especificamente, não são personagens idealizados, podemos nos reconhecer neles. Quem diria que a pura Branca de Neve não era tão pura assim e o caçador ia ceder aos encantos da bela rainha... Eu esperava mais participação do caçador na história, infelizmente não apareceu tanto assim. E não poderia deixar de lado nosso bondoso príncipe, ou não tão bondoso (na verdade odiei ele). Apesar de se passar naquelas eras encantadas, de bruxas, reis e príncipes, nós vemos em Veneno uma princesa com características bem modernas, o que tornou tudo um pouco mais interessante. E o final ficou em aberto, me tentando a passar por cima de todas as outras leituras que tenho para fazer e seguir para o livro 2... estou resistindo até o momento, é mais uma saga para eu ler, no meio de tantas, pode ver o que estou "tentando" acompanhar nesse post Sagas em Foco.


         Então para o mês de julho, mês dos namorados o Cronograma indica um romance, pelo menos esse já estou lendo, juntei o útil ao útil (sim, duas vezes) ao agradável e estou dando sequência a série Perdida, o segundo livro Encontrada. Para ver a resenha do primeiro livro: Resenha Perdida. Vale a pena dar uma olhadinha. Até a próxima leitura!

Séries: Maratonando

          Então, como estão meus leitores favoritos? Espero que bem... bom, lá vou eu falar sobra séries novamente, e repito normalmente estou por fora das atualidades como disse em outro post (Review Séries). Mas quero falar do que vi nos últimos meses, ou nesses 5 meses do ano, então...
          No início de 2016 eu havia assinado a NetFlix, mas não me identifiquei e acabei por cancelar, a pedido de uma amiga, esse ano voltei a assinar...


 Full House ( Três é demais) - Citei essa série no post de que falei acima, e posso agora com orgulho, e um pouco de tristeza, dizer que assisti as 8 temporadas dessa maravilhosa série que fez parte da minha infância! Foi fantástico assistir a todos os episódios. E a partir dela criei expectativas em relação ao seu spin-off Fuller House, série original da NetFlix, apesar de toda a crítica negativa a ela, resolvi dar uma chance e quero ver o que ela tem a me oferecer, ainda mais que é com o elenco original! Em breve pretendo falar dela. Alguém mais teve o prazer de "maratonar" Full House?


13 Reasons Why (Os 13 Porquês) - Série original da NetFlix. Eu esperei muito ansiosa para assistir esse série, li o livro há anos atrás, já nem lembrava bem da narrativa então não e sinto apta a fazer comparações (não reli o livro), só lembro que na época eu achei o livro fantástico! Estava meio assim por causa de toda questão midiática dizendo que a série incentivava o suicídio, na minha leiga opinião (não tenho nenhuma formação na área da psicologia), achei um pouco exagerado, afinal de contas não é apenas a questão do suicídio que é trabalhada, mas acho que ali se desenvolve mais especificamente a questão do bullying, o que um pequeno ato, um pequeno comentário pode desenrolar na vida de um indivíduo, a reação em cadeia que essas "pequenas ações" criam. Achei realmente que há cenas fortes e impactantes, até mesmo, ouso dizer, dolorosas de ver, mas muito verdadeiras, eu que eu vi na série foram verdades... Por isso indico ela, não só foi condizente como minhas expectativas como as superou! Como disse tem cenas bem fortes, então faça sua autoanálise, se acha que não pode lidar com elas não assista, sejamos coerente conosco, com o que podemos e não podemos suportar. 


GirlBoss: Mais uma série original da Netflix. Num primeiro momento eu achei a personagem principal, Sophia, uma cretina... ao longo da narrativa minha opinião não mudou muito, mas a série é viciante acho que em 3 dias assisti os 13 episódios. Sophia é uma anti-heroína, tem momentos que vamos simpatizar com ela e outros em que vamos odiá-la, mas é inegável a sua história!














          Então, essas foram as séries que vi por completo, poucas? Sim, mas tenho outras em andamento: Supernatural - 11ª temporada, Um Maluco No Pedaço - 4ª temporada, Desventuras em Série e Fuller House. O que vocês estão maratonando?

Cronograma Literário 2017 - Abril: Perdida

Título: Perdida
Autor: Carina Rissi
Editora: Verus
Número de páginas: 364
Gênero: Romance/ Comédia
Sinopse: Sofia vive em uma metrópole e está acostumada com a modernidade e as facilidades que ela traz. Ela é independente e tem pavor à mera menção da palavra casamento. Os únicos romances em sua vida são aqueles que os livros proporcionam. Após comprar um celular novo, algo misterioso acontece e Sofia descobre que está perdida no século dezenove, sem ter ideia de como voltar para casa – ou se isso sequer é possível. Enquanto tenta desesperadamente encontrar um meio de retornar ao tempo presente, ela é acolhida pela família Clarke. Com a ajuda do prestativo – e lindo – Ian Clarke, Sofia embarca numa busca frenética e acaba encontrando pistas que talvez possam ajudá-la a resolver esse mistério e voltar para sua tão amada vida moderna. O que ela não sabia era que seu coração tinha outros planos... 

Resenha
           Inicio usando um velho ditado "antes tarde do que nunca". Relutei em ler esse livro, pois acho viagem no tempo surreal para minha imaginação. Mas me deixei levar pela autora, pois sou apaixonada pelos livros dela. Para o mês de abril o desafio era um livro de comédia, esse eu classificaria como uma comédia romântica, como os demais livros da Carina. Sobre informações técnicas: O livro é dividido em capítulos, narrado em primeira pessoa. Esse volume é uma edição do box perdida e confesso que tem muitos erros gráficos, não de edição, erros da gráfica: a margem varia de página para página, tem falha na impressão faltando os travessões nas falas, esses tipos de erros.
          Sobre a história: apaixonante e viciante, mesmo sendo fora do meu padrão as viagens no tempo, eu amei o livro e agora estou ansiosa para ler a série toda. A Sofia carrega muito das características das personagens principais da Carina: uma tragédia na família, não acredita muito em amor e é unicamente desastrada e com uma beleza peculiar, óbvio que seu par romântico Ian não podia ficar para trás: sendo o cara mais lindo, perfeito e incrível do mundo. Par romântico clichê? Tirado o fato de que ele é um cara do século dezenove e ela do século vinte e um, sim, é casal clichê, um clichê, mas sabe aquele clichê que a gente ama, se envolve e fica um pouco triste quando termina? Li em menos de quinze dias. Então... é aqueles clichês que a gente gosta e precisa ler de vez em quando!
         As trapalhadas e a personalidade de Sofia é que garantem o humor do livro, e quem, como ela, não sonha com um Ian?! Em fim, vale a pena conferir o livro, a série, mas só aconselho comprar o box quem não é paranoico com as edições, porque os erros são gritantes. 
          Para esse mês, maio - que já está quase no fim - o desafio é um livro indicado por um amigo! Vou ter que pedir indicações e será que consigo ler nos próximos 10 dias? Bom, tentarei... e vocês tem algo para me indicar? Deixem suas indicações nos comentários e até a próxima leitura!

A Influência de Salazar na saga Harry Potter


Toda a gente sabe que a escritora britânica J. K. Rowling deu aulas na cidade invicta. Aliás, o Porto é um ponto de peregrinação obrigatório para todos aqueles que adoram a saga do menino que se tornou no feiticeiro mais famoso do mundo aos 11 anos.
Apesar de ter vivido apenas por 1 ano em Portugal, a rainha da fantasia que revolucionou para sempre a literatura mundial, utilizou imensas referências ao nosso país nos 7 livros de Harry Potter.
Dois dos mais notórios são a sua inspiração na arquitectura neogótica da centenária Livraria Lello e no traje académico portuense. Mas um em particular originou até uma teoria que foi agora confirmada pela própria autora. A perspicácia de uma fã deu o mote para a revelação agora divulgada: Qual seria a relação da personagem Salazar Slytherin – um dos quatro fundadores de Hogwarts – com os tempos vividos em Portugal? Esta teoria era discutida há muito entre os fãs da saga, aguçando a sua curiosidade. Através do Twitter, Rowling escreveu o seguinte:
“I did indeed take his name from António Salazar, the Portuguese dictator.” – Eu realmente tomei o seu nome de António Salazar, o ditador português.
Na complexa trama, Salazar Slytherin é um dos personagens mais cruéis. Fundou Hogwarts ao lado de Godric Gryffindor, Helga Hufflepuff e Rowena Ravenclaw.
Feiticeiro de sangue puro e sedento de poder, sempre defendeu que a maior escola de magia e feitiçaria do mundo, jamais poderia aceitar alunos que não possuíssem pais que fossem feiticeiros.
O seu método de selecção baseava-se no estatuto de sangue, na ambição e na criatividade para contornar as regras. Outro dos seus dons era comunicar com répteis, nomeadamente as serpentes, o animal que representa a sua casa no mundo fantástico criado pela escritora.

Entrevista: Kelly Christi, autora de “Quasi di Verdadi”


Bom dia leitores tudo bem? Entrevistei a jornalista, blogueira do Pequenos Deleites e escritora, Kelly Christi.
Apenas 1 dia após o lançamento de Quasi di Verdadi em formato digital, uma colectânea de contos curtos, que têm a vida urbana como cenário principal através da sua Litteral Conteúdos, convido-vos a conhecê-la melhor. Venham daí!
1 - Como se tornou leitora?
Hum... tenho o habito de ler desde pequena, então eu nem lembro mais como me tornei leitora, tenho a impressão que fui crescendo com isso, meu contacto com os livros foi muito cedo e como várias crianças comecei com os clássicos infantis, sabe... “Rei Leão”, “ Bela e a Fera”, Pequeno Príncipe”, esses de praxe.
2 - Como e quando surgiu o gosto pela escrita?
Foi um pouco mais tarde, na adolescência que eu reparei que eu gostava de expressar ideias no papel, criar histórias também...
3 - Quem são as suas referências literárias?
 Eu tenho muitas na verdade, para cada fase da minha vida eu tive um escritor marcante, mas acho que Kafka, Virgínia Woolf, Bukowski, Clarice Lispector, Nelson Rodrigues, Luis Fernando Veríssimo, Dalton Trevisan, Rubem Fonseca, Caio Fernando Abreu, Marcelo R. Paiva, essa galera toda aí e mais um pouco rsrs.
4 - Quando está a ler uma história, o que mais a surpreende?
O clímax, inclusive aqueles que são bem sutis, mas mudam o percurso todo da história... Acho demais.
5 - Este é o seu primeiro livro, o que sentiu ao terminá-lo?
Alívio e friozinho na barriga ao mesmo tempo, porque depois que a gente termina a história vem todo um processo né, de sentar com design para pensar na capa, projeto gráfico, revisão, etc.
6 - Como é seu processo criativo para elaborar uma história?
Depende do que é pra ser escrito. No blog é mais leve e objectivo por que são crónicas sobre alguma coisa que vivi, que penso ou que está acontecendo em algum lugar, em contos eu gosto de rascunhar o personagem e ficar matutando um pouquinho, buscar outras referências sobre o assunto.
Também gosto de pensar no projeto como um todo. Nesse livro, por exemplo, eu queria que ele fosse curto, ele foi todo pensado para ser assim e ser digital, , então eu tive que pensar em contos que estivessem dentro dessa proposta.
7 - Qual é o seu principal objetivo com o lançamento de “Quasi di Verdadi”?
Mostrar às pessoas, a minha outra veia literária que é vai além da crônica, eu já tinha publicado alguns em revistas literárias, mas não um livro. E que ler nem sempre é carregar um livro, não que não seja bom aquele cheirinho de um livro novo, muito pelo contrário, mas também existem outras formas de leitura com a vida digital, que merecem uma chance e que também podem ser interessantes, o e-book é uma delas.
8 - A sua escrita flui bastante bem, é leve, descontraída e tem humor. Estará este seu estilo de escrever relacionado com o seu modo de viver?
Sem dúvida. Eu sou meio assim mesmo, eu observo os dramas quotidianos, mas ao mesmo tempo sou sarcástica e coloco essa pitada de humor nas coisas, é meu modo de encarar a vida, então isso acaba reflectindo na escrita em algum momento.
9 -  Para você qual foi o tema sobre o qual teve mais dificuldade em escrever?
Tem um conto em que a personagem central e a amiga dela são denfendidas por um travesti, não foi difícil, mas foi desafiador porque eu não conheço nada do mundo dos travestis ou LGBT no geral, eu conversei com alguns deles numa balada em sp, que estava com amigos e tudo mais, pra entender o que passavam, achei que era um bom tema a ser abordado.
Outra coisa desafiadora foi criar personagens masculinos em contos curtos ( o que é mais difícil ainda) porque. eu só criava personagens femininos até então, no blog também sou eu mesma falando de algumas situações que sinto e eu estava um pouco cansada dessa zona de conforto, então o legal é que eu consegui experimentar isso em alguns contos, mesmo que sejam curtos.
10 - Tem alguma frase que resuma a ideia central deste e-book?
🎵 “ De perto, ninguém é normal...” 🎵 Rsrsrsrs.
11 - Em algum momento durante o processo de escrita, você pensou em desistir?
Sim, várias vezes. Já bateu aquela dúvida existencial se eu estava fazendo a coisa certa ou não. Já passei por editora que disse sim para o meu livro, com ele no prelo e depois disse não, foi uma enorme falta de profissionalismo, mas aconteceu comigo, por outro lado isso me impulsionou a criar o meu próprio selo e colocar em prática tudo o que aprendi em edição de texto e na linguística, é um projeto novo ainda, mas espero que eu consiga ajudar outros autores novos.
12 -  O que você aconselha a quem quer começar uma carreira como escritor(a)?
1. Descobrir seu estilo e sempre tentar melhorar no mesmo.
2. Buscar uma forma de treinar com frequência, o blog é uma ideia, o Face é outra ideia para quem se sente a vontade, o diário também é outra, mas sempre tentar escrever com frequência.
3. Ler bastante, isso ajuda a melhorar a escrita inconscientemente, a gente nem acaba percebendo, mas faz toda diferença.
4. Saber reconhecer o que é crítica construtiva e aquela que é de gente idiota, só para te colocar para baixo e saber ignorá-las.
Link para adquirir na Amazon:
https://www.amazon.com.br/Quasi-di-Verdadi-Kel…/…/B06Y6KSM4L

É tudo por hoje| Espero que tenham gostado de saber mais sobre a autora, digam-me o que acharam nos comentários! Também não se esqueçam de compartilhar e de seguir o blog! Muitos abraços e até a próxima!

Cronograma Literário 2017 - Março: Enquanto Eu Te Esquecia

Título: Enquanto Eu Te Esquecia
Autor: Jennie Shortridge
Editora: Única
Número de Páginas: 384
Gênero: Romance

Sinopse: O que a memória apagou, o coração recorda... Lucie Walker não se lembra de quem é ou como foi parar nas águas geladas da Baía de São Francisco. Encaminhada para uma clínica psiquiátrica, ela aguarda até que um homem chega afirmando ser seu noivo. Entretanto, com seu retorno para casa, essa mulher sem memória vai tomando conhecimento de sua personalidade antes do acidente, da pessoa controladora, fria e sem vida que era, e dos segredos da infância e da família, assim como da situação do noivado e dos mistérios que podem ter provocado o acidente. Será que ela quer isso de volta? Será que essa nova Lucie conseguirá manter o amor por Grady, ou a oportunidade de recomeçar será sua salvação? Intenso, franco e incrivelmente emocionante, Enquanto eu te esquecia é um livro delicado, que nos questiona sobre a maneira que vivemos e nos lembra que sempre temos uma nova chance de ser feliz. 

          Essa foi mais uma  leitura do Desafio Literário 2017, no mês de março o desafio era ler um livro de uma autora, da qual não tivesse lido nenhum ainda. Esse era um dos poucos que tinha de autoras que ainda não tinha lido nada.
           A temática que envolve do o livro - da perda de memória motivado por algum trauma, o passado misterioso e o relacionamento conturbado - até tornam a leitura interessante, porém a trama praticamente não se desenvolve, se torna monótona. E deixa um final em aberto, não sabemos o que acontece nem com o relacionamento, nem com a memória de Lucie. Foi uma leitura beeem difícil de concluir, e por isso foi o único livro que li por inteiro nesse mês!
           No mês de abril o desafio é um livro de comédia, alguém tem alguma recomendação? Deixe a sua nos comentários! Até a próxima leitura, pessoal!